A pouco tempo atrás conheci uma menina na faculdade o nome dela era Amanda, era gente fina e muito inteligente eu gostava de fazer trabalhos com ela porque sempre tiravamos notas boas, tinhamos afinidade, logo eu conheci sua família e seus pais, sentia que ela queria algo mais que amizade, dai começamos a namorar.

O problema era o irmão dela. meu deus eu nunca vi um carinha tão gostoso e que me desse tanto tesão. O irmão de Amanda vivia nos meus sonhos e eu sempre me masturbava muito pensando nele seu nome era Pedro ele tinha 18 anos, duas coisas me chamavam atenção nele os seus lábios convidativos e sua bunda redondinha.

Ele era sério, nada efeminado e isso me dava mais tesão, ficava sonhando em como seria encrível possui-lo por meu penis naquela boca, sempre que ele me sorria com aquela pureza e sem maldade própria de homens bondosos me ocorriam esses pesamentos devassos de errabar ele com força, ele tinha uma risada muito gostosa e contagiante aquelas gargalhadas para mim soavam como gemidos de prazer.

Não consequia ficar perto dele, pois meu pênis logo ficava muito duro.No começo do ano ele se alistou no serviço militar e foi servir ao tiro de guerra da nossa cidade, isso só serviu pra me deixar mais alucinado e pervertido.

A pouco tempo vi ele de uniforma militar com aquela farda verde camuflada uma camisetinha apertada que marcava bem o seu corpo, que nesses dias já começava a ficar bem definido, corpo de soldadinho. Peito musculoso e bem estufado pra frente, meu coração acelerou e eu não pude olhar muito pra ele se não meu pau ia ficar duro e eu ia passar vergonha.

Não sabia como iria tirar o irmão da Amanda da minha cabeça e ficava cada dia mais obcecado.No fim de semana passado fui visitar Amanda na casa dela, a porta estava aberta e eu entrei, sabia que os pais de Amanda tinha saido pra viajar, mas aparentemente não havia ninguém em casa, mas a porta estava aberta, devia haver alguém.

Fui olhando de cômodo por cômodo não achei ninguém até chegar ao quarto de Pedro, o irmão da Amanda. A porta estava só encostada e eu entrei. Pedro vem passar o fim de semana em casa, eu já sabia, mas o que encontrei foi surreal.

Ele tinha acabado de tomar banho e estava deitado dormindo só de toalha fiquei estático, incrédulo enquanto fitava seu corpo, o rosto era sereno estava com a boca entre aberta em um sono profundo, uma mão repousava sobre a barriga e a outra sobre o travesseiro perto do rostoos musculos do braço relachado o peitinho dele estava com os biquinho bem duros, talvez estivesse com frio por estar descoberto e semi-nu, mas isso só me lembrava excitação, o mais incrível estava entre as suas pernas tornadas elas estavam entreabertas e a toalha mau presa com o nó já desfeito permitia ver um pouco do seu sexo surpreendentemente duro.

Pra minha sorte ele era daqueles que quando dorme fica com o excitado não era nada anormal tinha uns 16cm o suficiente pra me excitar, me aproximei e com o pau muito duro me senti tentado a voar em cima dele e realizar todas as minhas fantasias, mas não quis estragar tudo, tinha um bom relacionamento com Amanda e além de perdê-la nunca mais veria Pedro, nem conversaria com ele ou ouviria sua risada contagiante.

Porém o tesão era maior que eu e resolvi levantar um pouco a toalha pra poder ver melhor o seu corpo, ele se mexeu tomei um tremendo susto recuei muito rápido e já estava na porta quando olhei pra trás ele tinha virado de costas e a toalha havia saído deixando sua bunda carnuda deliciosamente convidativa.

Eu não podia mais me segurar, o tesão falou mais alto botei o pau pra fora, que já estava estourando na calça, e começei a me masturbar olhando para aquela visão. Que ironia tudo que eu sempre quis alí tão perto e eu não podia tocar, mas eu podia me masturbar e fingir que estava dentro dale, fingir que possuía aquele que era o meu objeto de desejo desde que o vi.

Começei e sabia que ia gozar logo pelo tesão que tinha e pelo risco de alguem chegar a qualquer momento. foi quando tomei o maior susto da minha vida Pedro acordou e falou:

- André!

Quase morri, mas pra minha surpresa ele me olhou sorrindo.

- Eu já sabia. Me disse pedro com aquele sorriso brilhante.

Fechei minha calça quase prendi meu pinto no ziper.

- Espera, tudo bem. Falou Pedro e eu o olhei assustado, descrendo nos meus ouvidos.

- Hã? falei.

- Tudo bem, eu sei que você sempre teve tesão em mim, eu percebia o jeito como você me olhava, mas você é o namorado da minha irmã e eu tinha receio de ficar contigo.

Fiquei mudo, não sabia o que dizer ainda estava assustado. disse:

- Cadê Amanda?

- Ela foi na casa da Fernada e ainda vai demorar. Enquanto dizia isso se levantou nu e veio em minha direção.

- Vem cá. Falou isso enquanto passava a mão na minha nuca.

Nesse momento todo o meu tesão voltou tranquei a porta do quarto e começamos a nos beijar. Como era bom beija-lo e eu sentia cala frios e arrepios de tesão. levei-o até a cama e cai por cima dele. Tirei a camisa e ele puxou minha calsa com cueca e tudo. Ficamos nos beijando e roçando nossos corpos nus.

Eu estava por cima e ele me envolveu com suas pernas. melei ele todo com meu pênis porque estava muito duro e cheio de gozo por causa do tesão.

Quanto mais eu o beijava mais tinha vontade de beija-lo eu o envolvi nos meus braços e comecei a roçar com mais força. Quando parei de beija-lo meti minha língua cedenta em seu ouvido ele soltava gemidos baixinhos. Me ergui sob o corpo dele e levei meu pênis até a sua boca ele desceu um pouco e me chupava deitado, enquanto e me segurava na cabeceira da cama ditei um ritmo devagar, não podia gozar tão rápido, entretanto o tesão era tanto que quase aconteceu duas vezes e eu tirava rapidamente o meu pênis da sua boca.

Ele reclamava e dizia que queria chupar meu cacete, não podia negar, só que a boca dele era muito boa, e quente a sua língua envolvia a minha glande e as vezes ele ficava beijando a minha glande com seus lábios avermelhados e macios. urrava de prazer e já não me preocupava mais se Amanda iria chegar ou se alguém iria ouvir, no mundo inteiro só existia aquele lugar, aquele momento.

Pedi pra ele se virar e mais uma vez começei a roçar meu corpo contra o dele, dessa vez naquela bunda maravilhosa. Enquanto eu me esfrergava nele, ele se mexia, mostrando que também estava com muito tesão, posicionei a cabeça do meu pênis na entrada do seu ânus e forçei.

- Isso André vai me come. Disse com a voz trêmula.

Eu quero que você me enrrabe, quero que você seja meu macho, me come que nem você come Amanda.

Ele estirou a mão e abriu a primeira gaveta que havia no criado mudo ao lado de sua cama, de lá tirou um tubo de lubrificante e me entregou.

- Vem André eu quero ser a sua mulherzinha, vai me come. Dessa vez falou com uma voz mais firme. Prontamente obedeci, passei o lubrificante no meu pênis e um pouco no seu ânus.

Ele estava com tanto tesão quanto eu, pois se remexia levemente, como uma mulherzinha pedindo pra ser fodida, pedindo para um macho meter nela. e era isso que eu ia dar para Pedro, minha pica sem pena, nem dó. o cuzinho dele apertava e pulsava quando eu enfiei deslizou com muita facilidade. Só que ele gritou, acho que deve ter doido, como já havia enfiado toda de uma vez eu me deitei sobre ele e o abracei, fiquei fazendo movimentos lentos e de forma circular.

Ele urrava e seu cu correspondia se contraindo com cada vez mais força me deixando ainda mais louco. Mordi sua orelha e disse:

- Que cuzinho gostoso, você tá gostando da minha pica no seu cu? Ele respondeu com um gemido de sim e entre gemidos falou.

- Eu quero que você me foda e me faça gemer como a Amanda gemia me matando de inveja.

- Ha é então toma. Falando isso eu tirei o meu pau e deixei só a cabeça, depois empurrei tudo de uma vez, forcei meu corpo contra o dele o máximo que pude. Segundo em seus ombros começei a fuder com força enquanto ele segurava meu quadril querendo que empurrasse ainda mais.

Dava cada estocava que ele gemia, um gemidinho fino e desmunhecado que nem uma bixinha, ele se comportava de uma maneira que nunca tina visto, feito um viadinho, empinando a bunda e forçando pra eu meter mais se alguém me contasse não acreditaria...

Não aguentei muito mais tempo e gozei com tudo, gritei, me estremeci inteiro como se tivesse tomado um choque, uma explosão que saia do meu pênis e percorria todo meu corpo arrepiando meus cabelos e me matando de prazer, nunca tinha gozado assim.

Ofegante cai sobre ele.

- Teu batimento tá tão acelerado que eu posso sentir seu coração nas minhas costas. Falou Pedro.

Ele saio de baixo de mim e foi para o banheiro se limpar eu fiz ele gozar lá mesmo, beijando ele e alisando seu corpo. vestimos a roupa e ficamos deitados na cama dele eu o olhava incrédulo e encantado com tudo aquilo que havia acontecido, ele estava mais lindo e mais feliz do que nunca e eu também.

Pouco tempo depois Amanda chegou, fui recebê-la e o dia acabou bem. Algum tempo depois brigmaos e nosso namoro acabou, as vezes ainda me encontro com Pedro nos fins de semana quando ele não está de serviço no quartel.

O problema e que ele não pode me ver todo fim de semana pra não chamar atenção e é por ser cada encontro tão raro e exclusivo que é tão incrível como este primeiro.

Autor: Andre
E-mail - color="gray"andreltz@hotmail.com
MSN - Não Divulgado
Conto enviado pelo internauta.