Já faz um tempo que o professor de estatística pedia pra gente fazer um trabalho muito difícil um monte de gráficos, moda, mediana, desvio padrão, enfim, tudo que tem na estatística básica.

Ele passou isso no começo do semestre e valeria como nota final dos alunos, era pra fazer em dupla e eu resolvi fazer com um carinha que eu não conhecia muito bem, o nome dele era Marcio.

Só que o semestre foi passando e agente não tava nem ai, deixando pra última hora como sempre.

Quando foi na semana final do prazo de entrega é que agente resolveu fazer, então já não tinha mais tempo, o trabalho era enorme e foi ai que Marcio pediu pra eu ir dormir na casa dele, pra vê se agente conseguia terminar.

Eu fui de boa, sem segundas intenções.

Ele é um cara normal sabe, não é muito bonito de rosto, mas tem um corpão de academia, aqui acolá ele dava uns deslizes e desmunhecava, mas era discreto o suficiente apenas para me deixar com dúvidas e não com certezas de ele ser gay...

Além do mais eu fiz dupla com ele por acaso, nunca tinha pensado em ter algo a mais.

Márcio era de outra cidade, acho que era Vassouras, mas veio para o Rio estudar na universidade federal, seus pais pagavam um apê bem pequeno pra ele e davam uma mesada curta, não sei como se virava acho que fazia uns estágios pra complementar.

Quando eu cheguei ao apartamento dele pra fazer o trabalho achei o lugar triste, muito fechado, quase sem janelas e uma luz artificial de hospital que me deixou sufocado, quando eu cheguei lá passava das 7 da noite, ele disse que também havia acabado de chegar do estágio e estava com uma calça jeans azul com cara de surrada e uma blusa que parecia de uniforme, não consegui ver onde ele estava trabalhando, também não perguntei.

Disse que ia tomar um banho primeiro e depois vinha fazer o trabalho, sentei numa pequena mesa com tampo de vidro e quatro lugares que tinha na sala, se é que se pode chamar aquilo de sala, fui me concentrar no trabalho e não vi quando ele saiu do banheiro só vi quando ele chegou na mesa veio por traz de mim pra olhar o quê eu fazia no notebook e falou perto do meu ouvido “e ai como está o trabalho?” respondi que tava péssimo e dei meu pc pra ele olhar, foi quando eu comecei aprestar atenção nele estava sem camisa com um pequeno short preto, mas era bem pequeno mesmo, parecia um cueca box, fiquei mexido com o corpo dele era mais bonito do que eu pensava tinha um peitoral bonito barriga lisa e braços fortes sem pelos, as pernas também eram bonitas e fortes com pelos pequenos e finos era um homem bem tesudo me deu arrepios o melhor era que ele havia vestido cueca seu pênis ficou mais marcado quando ele sentou na minha frente e eu pude ficar olhando pelo tampo de vidro, com as penas abertas o tecido ficou forçando seu pênis para baixo, tinha um tamanho bem razoável e eu comecei ficar excitado com aquilo...

Não conseguia tirar os meus olhos do pênis do Marcio enquanto ele lia atentamente o trabalho, acho que aquele short começou a incomodá-lo e ele deu uma mexida daquelas pra ajeitar o pau, colou ele de lado, encostado na perna direita, nisso o pênis dele ficou ainda mais marcado e a cabaça quase saindo pra fora, minha respiração ficou ofegante e eu comecei a fantasiar todo tipo de loucura, meu pau ficou duro, coloquei as mãos sobre ele pra tentar esconder...

Foi quando eu comecei a suar, Marcio olhou pra mim e disse “por que você não tira a camisa cara?” disse que era melhor não, que não queria, mas ele insistiu e eu sem querer tirar a mão do meu pênis, pois ele poderia perceber que estava excitado...

Quanto mais eu me concentrava pra poder baixar o fogo e tirar a camisa mais pensava em sacanagem com Marcio, até que ele voltou a olhar o trabalho e eu resolvi tirar a camisa bem rápido pra ele não perceber, mas ele percebeu e pelo tampo de vidro viu o meu estado, disfarçou, só que ai ele começou a se coçar e a crescer, cruzou as pernas pra disfarsar e ai eu pensei, quem é que nós estamos querendo enganar aqui, eu to afim de transar e sei que ele também tá afim, vou tomar uma atitude para resolver isso agora!

Troquei de cadeira e fui pro lado dele, coloquei a mão naquela coxa gostosa e falei:

- E ai como é que tá? Ele olhou bem assustado pra mim e disse.

- O quê?

- O trabalho hora!

- Tá mais ou menos.

- E o que vamos fazer? Falei olhando em seus olhos, com os lábios entre abertos e pedindo pra transar.

- Não sei. Disse Marcio com uma voz trêmula.

Continuei olhando fixamente pra ele com cara de tara e desci a mão até o pau dele, agarrei o bixão, ele olhou pra mim e me deu um beijo, eu coloquei a mão dentro do short dele e segurei firme, continuamos nos beijando com muito tesão, ele também pegou no meu pau e ficamos por alguns minutos naquela brincadeira, ele levantou e me chamou pro quarto.

Era bem pequeno, um armário e uma cama de casal encostada na parede sentei na cama ele tirou o short e botou o pau na minha boca, era uma rola muito gostosa acho que tinha uns 18cm era curvada pra cima, uma cabeça rosada o saco raspado de tom avermelhado, os pentelhos apenas aparados no formato natural fazia um caminho em direção ao umbigo, mas desapareciam antes de chegar...

Eu estava me realizando com aquele pau na minha boca sugava bem devagar enquanto Marcio gemia baixinho e afagava meus cabelos carinhosamente olhei pra ele que estava com os olhos fixos em mim fiz aquele cara de atriz pornô pra ele.

Marcio sorriu e disse “vai gostoso chupa, engole meu caralho”.

Eu tava com o cu coçando e pedi pra ele me comer.

Mandou-me deitar e disse espera ai, fiquei me masturbando enquanto achei que ele ia pegar uma camisinha ele voltou só com o lubrificante nos dedos, perguntei pela camisinha e ele pediu pra deixar pra lá, porquê ele queria gozar dentro de mim, fiquei excitado e receoso com a idéia, mas o tesão falou mais alto e eu deixei, fiquei de lado pra ele me comer, ele passou o lubrificante que estava nos dedos no meu cu e veio me encoxar, pediu pra eu abrir a bunda pra ele, tava doido pra dá e quando ele veio entrou fácil, enfiou toda de uma vez só, doeu um pouco, mas ele foi gentiu e parou ficou ali parado até eu me acostumar com o pau dele, quando eu vi que tava tudo bem dei um aperto forte no pau dele ele deu uma gemidinha enfiou a língua na minha orelha e começou a meter, gemi feito uma puta, tava com muito tesão e comecei a falar umas baixarias que deixaram Marcio louco, começou a me fuder com mais força e me empurrou pro cantinho da parede onde a cama tava encostada eu fiquei ali encolhido no canto da parede, me desmanchando de prazer enquanto Marcio me fudia, senti cada centímetro daquela rola entrando e saindo enquanto ele gemia no meu ouvido, uma voz grossa, bem de macho dizendo toma no cu seu safado, aquilo era muito gostoso eu não queria que parasse...

Ele fudia muito bem, com a cadencia certa estav me fazendo gozar muito naquela pica, porém Marcio anunciou que ia gozar e em pouco tempo esporrou um jorro quente dentro de mim, eu me tremi todo, com cala frios de tesão gozei depois no peito dele.

Tiramos uma nota péssima no trabalho, mas o sexo valeu apena.

Autor: Andre
E-mail - andreltz@hotmail.com
MSN - Não Divulgado
Conto enviado pelo internauta.