Continuação do Conto: Minha História, Minha Vida (2)

No momento em que eu estava chegando perto da casa deles, eu senti um arrepio na espinha e pensei comigo, eu não fiz nada para eles, e eles não tem nada contra mim, eu não tenho que ter medo, eu não vou desviar deles.

No momento que estava passando por eles, eles cercaram a rua, eles me agarraram e falaram, agora você vai ver, o que acontece com pessoa que nos ameaça, eu amedrontado eu falei, mas eu não os ameacei, foram vocês que vivem me ameaçando, você pensa que o Tico não nos contou, se ele é teu gayzinho também, não temos culpa que ele goste de dar para nós também, se está com ciúmes o problema é seu, mas não venha nos ameaçar.

Eu falei cara, vocês estão enganados eu nunca comi o Tico, ele se ofereceu para mim, mas eu o recusei, vocês estão enganados.

Eles me responderam você é que se enganou com nós, você bateu no Tico, ele veio aqui todo marcado falando que você bateu nele por ciúmes, agora você vai ter é com nós, você vai levar tanta pica nesse seu cu, que nunca mais vai pensar em ameaçar outra pessoa, e você ameaçou ele também que se você o visse sair daqui novamente contaria aos pais dele que fomos nós que violentamos ele.

Eu amedrontado falei caras, vocês estão enganados; Vocês me verão sou completamente virgem, eu não sou do tipo de pessoa que vocês estão pensando.

Mas os moços não deram ouvidos, e me agarraram e eles começaram a me arrastar para dentro da casa deles eu falei caras, me deixem vou gritar.

Eles sorrindo falaram é verdade você vai gritar com uma pica no cu, isso é se conseguir porque terá outra na boca e se você morder, você estará ferrado, vamos fazer pior do que fizemos com o Tico na primeira vez, porque ele mentiu para nós falando que era a sua primeira vez que ele ia dar o cu, mas quando fomos comer ele, ele não tinha nem uma prega no cu, então fizemos uma dupla penetração nele só para ele ver o que significa mentir para nós. Ele não precisava mentir, e nós o comeríamos ele com prazer, isso é foi o maior prazer comer ele fazendo uma dupla penetração, uma coisa que fizemos só com os travécos na cadeia, mas ele aprendeu a lição agora vem e nós comemos ele numa boa, e todos os gays que aparecerem e quiser dar para nós, nós estaremos aqui para come-los pois gostamos e comer mais um cu do que uma buceta.

Eu naquele dia estava usando uma camiseta branca e uma calça jeans azul (uniforme escolar), e eu usava uma sunguinha que entrava no meu rego, onde me deixava cheio de excitação e evidenciava mais a minha bunda, mas não esperava pelo que estava passando, certo é eu pensava que em algum dia eu iria dar o meu cu, mas seria com bastante delicadeza e amor, eu já tinha em mente para quem seria.

Que seria para o Marcos Antonio, pois ele era um tesão de menino além de ser bem dotado, eu não conhecera nenhum menino mais bonito e educado igual a ele, e nós tínhamos começado a fazer uma amizade legal, o Marcos Antonio me confidenciara que estava transando com um primo e que estava gostando pacas do envolvimento, ele me contava que ele já tinha transado com algumas meninas.

Mas o primo dele não era bonito, mas sabia satisfazer o desejo dele, só que ele estava notando que ultimamente o primo dele estava ficando diferente e ele estava percebendo que o cu do primo dele estava ficando alargado, ele não sabia se era porque ele estava transando com o primo quase todos os dias ou se o primo estava o traindo, ele achava que a segunda opção era a mais certa, se fosse verdade ele não saberia o que iria fazer, na verdade ele não amava o primo, mas estava acostumado transar com ele, que, no entanto ele nem se masturbava mais, e eu para consolá-lo falava para ele que ele era muito bonito e seria difícil o primo dele traí-lo com outra pessoa, no intimo eu torcia para ser verdade para eu poder consolá-lo mais intimamente e me declarar para ele.

Mas naquele momento eu estava nas mãos daqueles brutamontes e nem sabia o que poderia acontecer comigo, possivelmente os três iria me comer na força, me machucar e não faria sentir o prazer que eu pensava em sentir quando alguém me comesse, igual a alguns gayzinhos que eu conhecia lá na escola, e contava o prazer que eles sentiam na hora de que eles estavam sendo possuídos. E até mesmo o Tico me contou no ultimo dia que o encontrei saindo da casa dos três moços.

Só que tinha um, porém os moços não sabiam nada de minha vida que eu tivera doenças e era muito frágil, e os moços me arrastaram para dentro da casa, e eles foram tirando a minha camiseta às forças e começou tirar o meu tênis e minha calça, no momento em que viram minha sunguinha enfiada no meu rego, o moço que era mais desaforado era também o primeiro a ter me ameaçado falou, eu disse para vocês, que esse moleque era um gay enrrustido, meu pressentimento nunca falha, eu me debatia, e falava cara vocês vão se arrepender o que vocês estão fazendo comigo, eles falaram nós nunca nos arrependemos de que fazemos você é que nunca mais vai esquecer desse dia e vai ficar igual ao Tico querendo dar para nós todos os dias.

No momento em que eles tiraram a minha sunga, o cara que me ameaçou no primeiro dia falou, olhe só pessoal, esse cara tem pregas no cu, os meninos que comeram ele os paus eram pequenos ou ele é mesmo virgem, hoje nós vamos tirar a barriga da miséria, faz tempo que não comemos um cuzinho virgem, até mesmo das gurias que vem dar pra nós tem aquelas que são virgens na frente, mas o cu já todo alargado.

Eu chorando de medo do porvir falava cara eu sou virgem, não sou gay, me deixem ir que não contarei nada para ninguém e juro por Deus e todos os Santos eu não ameacei o Tico e foi ele que me ameaçou.

O cara que me tinha ameaçado pela primeira vez falou cara agora já é tarde, eu já estou todo excitado por esse cu, e eu serei o primeiro a te comer. Eu chorando falando caras não façam isso comigo, se vocês me machucarem vocês vão se arrepender meu pai trabalha junto com policiais, meu irmão mais velho está na academia de policia.

Os caras falaram, nós não temos medo e polícia, nós já fomos presidiários, nos três nos conhecemos foi na cadeia, e lá decidimos que quando saíssemos de lá um ia ajudar o outro se vingar dos que nos colocaram lá dentro, nós conseguimos nos vingar de todos, agora estamos vivendo do lucro, da primeira vez que fomos para a prisão nós éramos inocentes, agora se formos preso temos motivos, foi lá que passamos a gostar de comer cu de homens.

O cara me pegou jogou- me em um sofá velho fedido a mofo, eu já estava nu, ele segurou as minhas perna abriu-as e começou a beijar minhas pernas, eu tentava me esquivar, os outros, foram tirando a roupa quando ficaram nus já com seus membros duros foi um pegando o pau e esfregando em meu rosto, falando que era para eu abrir a boca, eu cerrava os dentes, o outro me segurava até o que havia prometido ser o primeiro a me comer ficar nu, eu me debatia, no momento que o outro ficou nu, ele voltou novamente a beijar minhas pernas e foi descendo até chega à coxa, e começou a lamber as minhas coxas, e logo depois eu o senti lambendo a região que fica entre o saco e o meu cu, aquilo foi me fazendo ficar excitado, mais que eu queria me esquivar, mas aquilo foi me deixando mole, logo senti a língua dele passeando pelas pregas de meu cu, eu sentia aquilo, foi me deixando mole, e o cara pegou em cima da mesa de centro da sala um tubo de uma pomada e começou a passar em meu cu, logo senti o dedo dele entrar em mim, isso para mim não era nenhuma novidade, pois eu sempre que podia enfiava o dedo, cheguei a enfiar um pequeno tubo fino e com a ponta arredondada em mim, eu me masturbava imaginando ser penetrado pelo Marcos Antonio, mas logo depois ele levantou e começou a pincelar o seu pau em meu cu, eu fui ficando com medo, no momento em que ele forçou eu dei um berro de dor o outro aproveitando atolou o pau em minha boca, só que eu não senti mais nada, minhas vistas escureceram, só acordei, já vestido, na cama do hospital.

Não posso dizer mais nada do que aconteceu comigo, só sei que meus pais falaram que eu estava demorando em chegar então eles iam sair para me encontrar, quando chegaram ao portão me encontraram caído desmaiado nu com as minhas roupas todas jogado em cima de mim, eles me levaram para dentro fizeram de tudo para eu voltar, mas não conseguiram, então chamaram uma ambulância e me levaram para o hospital, os médicos me examinaram, falaram a meu pai que tentou me violentar, só que não conseguiram de fato.

Eu tinha uma lesão no ânus, mas era só na entrada, e resquícios de espermas no rosto, não conseguiram adentrar em mim, possivelmente por ter desmaiado ou tido uma convulsão nervosa, meu pai todo nervoso ele me perguntava o que tinha acontecido, eu amedrontado falava, que eu não me lembrava direito, só sabia que estava tinha saído da escola mais cedo porque tinha tido prova, e que eu estava chegando perto de casa e eu fui agarrado, e não me lembrava de mais nada.

Eu voltando do hospital para casa foi a vez da família do Tico ir a minha casa me visitar, para mim foi difícil dar de cara com o Tico, só que no momento em que a família dele foi para a sala; o Tico com voz de raiva me contou, você os fez mudarem daqui, eles ficaram com medo de ter matado você, você é um fracote, não agüentou um pau no cu, e ainda tem coragem de me ameaçar?

Eu com desdém falei, olhe só você está bravinha porque seus amantes mudaram, o problema é seu, e tem outra coisa, eles podem ser bonitos e na verdade são uns tesões, só que não sabem nem primeiro preparar o campo para depois foder e dar prazer, eles já querem ir direto ao ato, você é tolo se rebaixar a tanto só de dar o cu e nem ser acariciado antes, você tem de se valorizar, você é um cara bonito, tem um corpo legal, quando você se valorizar, você vai sentir o prazer do sexo, e não só de ser um depósito de porra.

Ele ficou olhando para mim boquiaberto nem sabia o que falar então ele disse você também é homo.

Eu respondi não te afirmei que sou homo, só sei que eu sou totalmente diferente de você. Eu estou à procura de alguém que me mereça, e não ficar com qualquer um e ficar falado, eu já te disse eu nasci para ser amado e não ser objeto, e como disse da outra vez eu nasci para mulher e não para homens, eu dizia aquilo para ele não perceber, que eu também era gay.

Só que para mim as coisas ficaram mais difíceis, pois não saíam de minha cabeça os caras nus e com os membros tesos, e a dor que senti na hora em que um deles foi me penetrar, e eu sentia uma comichão, e ultimamente meu cu esta dando uma coceirinha gostos, e quando muitas vezes eu ia coçar sentia vontade de introduzir uma coisa mais grossa, pois o tubo que usava antes para me masturbar não estava mais me saciando.

O que mais me agradou em tudo isso, foi quando voltei para o SENAI, o Marcos Antonio veio, e me abraçou forte, falando cara como senti tua falta, eu aqui não tinha ninguém para conversar.

Eu sorri e falei para ele você ficou sabendo o que aconteceu comigo?

Ele respondeu com um sorrisinho, você sabe o Reginaldo o seu vizinho, ele contou para quase todos só que falou que uns caras tentaram te violentar, mas não conseguiram.

Eu respirei fundo eu falei é isso aconteceu, um outro moleque vizinho meu não teve a mesma sorte, os caras violentaram ele de tal forma que ele precisou ficar vários dias internado e ficou de cama . Só que não me pergunte se eu vi os caras, eu respondo não os vi só sei que quando estava na rua de minha casa passando em um lugar escuro me agarraram e eu não vi mais nada só acordei no hospital, sabendo de que tentaram me violentar e não conseguiram.

O Marcos Antonio me falou ainda bem, não é?

Eu falei não sei nem como agradecer a Deus pelo que aconteceu.

Ele me falou você não sentiu nada mesmo, eu respondi não nada, os médicos falaram para minha família que eu tive uma leve fissura no ânus, eles tentaram me violentar, mas não conseguiram fazer mais nada.

O Marcos Antonio me perguntou, e você nem imagina quem foi?

Eu brincando falei espero que não seja você.

Ele arregalou os olhos e me disse que é isso cara é só uma curiosidade, mas se fosse eu seria bem diferente, seria com bastante carinho, e você não se arrependeria.

Eu fiquei meio encabulado com o que ele me disse e falei, como eu disse não os vi só sei que aconteceu comigo essas coisas porque meus pais me contaram quando voltei a si no hospital, só que no outro dia mudaram da minha rua três moços que moravam sozinhos em uma casa, e eles viviam me importunando porque eu via um moleque gayzinho da vila sempre saindo da casa deles.

Eu querendo fugir do assunto eu perguntei e você e seu primo como estão? Ele abaixou a cabeça e me falou, eu não te disse que estava desconfiado que ele estivesse me traindo, então ele ficou conhecendo três caras que moravam aqui na cidade e que gostavam de traçar gays então, e ele começou a se relacionar com esses três caras, e esses caras tiveram que ir embora da cidade fez um convite ao meu primo de ele ir com eles e ele aceitou, então ele foi embora me deixando na solidão, bem eu sinto falta só do prazer que ele me dava, mas falta realmente dele não, só para você entender eu senti mais falta de você do que dele.

Eu ouvindo aquilo falei, ele falou três caras? O rapaz me respondeu sim olhe eu tenho a fotografia deles que ele me deu no dia em que estava indo embora, ele abriu o caderno e do meio do caderno ele tirou a fotografia dos 3 rapazes que morava na minha rua, e eles estavam como sempre sem camisa e com o short curto onde dava para apreciar as pernas e que evidenciava os seus belos pacotes.

Na hora em que eu vi a fotografia eu senti meio atordoado pensei até que ia desmaiar, eu não consegui disfarçar a surpresa.

O Marcos Antonio percebendo me falou, o que foi, você não está passando bem? Você ficou meio vermelho seus lábios arroxearam!

Eu falei marcos são esses caras que mudaram de perto de casa que falei, que eles viviam me importunando pelo motivo de que eu via sempre um moleque gay visinho meu saindo da casa dele, esse moleque era o que fora violentado de maneiras bárbaras ele quase morreu, mas não tomou jeito, ele continuou saindo com esses caras e com outros moleques da vila.

O Marcos Antonio ouvindo o que falei, ele me falou, então foi com esses canalhas que meu primo me trocou, bem que ele se ferre direitinho, se eu não estava satisfazendo ele que eles saibam o satisfazer e o estropiem de tanto comer ele, porque é só nisso que ele pensa em dar o cu e nada mais, ele é um tarado por pau.

Eu falei bem Marcos Antonio, espero que você arrume outra pessoa para que você possa satisfazer sua gula sexual.

O Marcos Antonio me disse, eu não sou nenhum tarado como você pensa, eu comia o meu primo quase todos os dias porque ele vinha se oferecer para mim, e para falar verdade é melhor comer um cu do que ficar se masturbando.

Eu falei não sei sou totalmente diferente de vocês, eu não sou nenhum punheteiro e não fico comendo o que parece para eu comer, eu penso diferente de todos eu penso que o sexo tem de ser feito com amor, é uma coisa especial e não pode ser feita de qualquer jeito, com qualquer um.

O Marcos Antonio sorrindo me falou, cara você é demais, tem horas que eu penso que você é um gay enrrustido, tem outra que penso que você é um romântico, cara eu te admiro pacas, eu gostaria de ser um pouquinho igual a você, mas eu não consigo, se eu começo a sair com uma menina, já no primeiro dia quero fazer sexo com ela, se eu estou com um moleque penso em fazer sexo com ele, eu só penso em sexo.

Eu circunspecto falei, então quer dizer que no momento que eu estou com você conversando você pensa em fazer sexo comigo? Eu hein? Acho melhor parar de conversar com você.

O Marcos Antonio sorrindo e um pouco intimidado falou, não vou dizer que já não pensei em fazer sexo com você, porque você é um cara legal, tem um corpo legal, tem uma boca sensual e uma bunda de por inveja em muitas meninas, mas isso foi no começo, agora é diferente, eu te considero pacas, se você fosse mulher falaria que eu estaria te amando, porque eu penso muito em você, eu me preocupei pra caramba quando o Reginaldo contou que tentaram te violentar, bem nem sei mais o que te falar, só sei que te considero mais que meus irmãos, se você perder amizade comigo eu não sei o que vou fazer, eu sinto falta de conversar com você, quando chega o final de semana eu sofro só por saber que ficarei dois dias sem te ver sem conversar com você.

O Marcos Antonio me falando aquilo, o que eu sentia por ele foi aumentando, e eu falei, o que é isso cara, pense nisso, nos somos dois homens, só nos damos bem, e nada mais.

Quando eu cheguei a minha casa naquele dia eu não tinha aula à noite, eu me retirei ao meu quarto e ficava pensando no que tinha acontecido e no que o Marcos Antonio tinha me falado, aquilo foi me deixando de um jeito diferente.

Quando o meu irmão chegou da casa da namorada, ele me falou, eu não sei o que fazer o Tico começou a pegar no meu pé novamente.

Eu respondi. O problema é seu, quem mandou você, dar corda, você comeu ele, tanto você como o Ferdinando, só eu que não o comi, não quer dizer que o safado não tenha me cantado, mas eu sou diferente de vocês, agora você tem que saber como se livrar dele, porque se eu souber que você estiver saindo com ele, você vai ver eu contarei tudo aos nossos pais.

Então o meu irmão Fábio nervoso, abaixou a calça dele me mostrando o pau dele duro e me falou, o que é que eu faço com isso, olhe só a minha situação.

Eu vendo aquilo, me dando vontade de segurar aquele pau duro bonito, babando aquela aguinha transparente, mas tive que me conter e falei, cara se reponha, imagine se o pai ou a mãe entra no quarto agora, vá ao banheiro se masturbe faça qualquer coisa, mas se contenha.

Meu irmão foi para a porta do quarto e fechou-a com chave, e me falou, pronto agora eles não podem mais me ver nessa situação, hei Franchi me de uma ajudazinha, vá cara bata uma para mim, eu não contarei para ninguém, eu estou numa neura, estou precisando de ajuda, vai maninho, só bata uma para mima e mais nada.

Eu vendo a situação em que me meti falei, cara eu sou seu irmão, e não sou gay, me respeite, que é isso meu, se você está nos apuros é problema seu, você é um tarado, não sabe se conter, se quer se masturbar se masturbe, mas não peça ajuda para mim nessas coisas, só me faltava essa meu irmão vem me pedir para eu bater uma para ele, isso é fora do comum.

Meu irmão veio se masturbando ao meu encontro o pau dele estava duro e ele se masturbava e falava, vai cara me ajude nessa, quando o Ferdinando era solteiro eu bati várias vezes para ele e até deixei ele gozar nas minha nádegas sem nada de penetração, na verdade cheguei até chupar o pau dele, eu fazia isso para ajudar ele resistir, porque a namorada dele não queria Dara para ele, só que ela não agüentou as investidas dele e acabou se entregando e ele teve que casar com ela, e mesmo depois de casado ele veio pedir para deixar ele gozar nas minha nádegas mas eu falei, que se ele queria comer um cu eu arrumaria um para ele e foi aí que eu apresentei o Tico e o Ferdinando comeu ele, e parou de vir pedir para eu deixar ele gozar nas minhas nádegas.

Eu falei, você e o Ferdinando são dois pervertidos, eu não quero ser igual a você, sai fora meu, mas intimamente eu estava ansioso em pegar naquele pau e masturbá-lo.

O Fábio me falou, cara veja bem já quase te comeram, eu vi a situação que você ficou no portão todo pelado, você pensa que eu não percebi que você também estava soltando a babinha pré-espermática do pau, significa que você estava gostando do negócio, eu te prometo eu não vou forçar você a nada, só me masturbe, me faça gozar e nada mais.

Eu sem jeito falei cara eu não me lembro de nada do que aconteceu comigo, eu não posso fazer isso em você, isso será um pecado horroroso. Eu falava isso, mas eu estava completamente excitado, o meu pau estava tão duro que me incomodava, o meu irmão percebendo, ele num gesto inesperado puxou a minha coberta, revelando o meu estado de excitação, pois nós tínhamos por costume de dormir de cuecas.

Ele vendo que eu estava excitado, ele foi e começou a acariciar o meu pau, eu tentei me debater e falei para ele que eu iria gritar.

Ele me falou que seria pior, porque como eu iria explicar estar de pau duro para nossos pais.

Debaixo dessa coação eu falei, tudo bem cara essa você venceu hoje, eu bato para você se você bater para mim também.

Ele sorrindo me falou eu deixo você até gozar entre as minha nádegas, desde que não tente me penetrar.

Eu vencido pela excitação eu segurei no membro dele que estava quente e duro, e comecei a masturbar ele, e ele começou a me masturbar também, e ele logo começou a me chupar e pedia para eu chupar ele também, pelo prazer que eu estava sentindo eu nem pensei duas vezes e comecei a chupá-lo, logo anunciei que eu ia gozar, então ele falou para mim, venha goze entre as minhas nádegas e você verá como é gostoso.

Ele deitou de barrigas para baixo e eu fui e encaixei o meu pau entre as nádegas dele e comecei a fazer um vai-e-vem, e ele gemia e falava que o meu pau era maior que o do Ferdinando, e que estava gostoso, que era para eu roçar o meu pau na portinha do cu dele, e eu fui fazendo como ele falava logo eu não agüentando anunciei que estava gozando o Fabio deu arcadinha para traz e eu senti o meu pau quase entrar no cu dele, ele deu uma gemida e falou, foi melhor que eu pensei, agora é a minha vez.

Eu amedrontado por causa da dor que sentira da vez que o moço fora introduzir o pau em mim eu falei, nem pense em me introduzir.

O Fabio me falou, eu sei que você está traumatizado ainda com o que fizeram com você, mas eu não vou te introduzir, a não ser que você queira, aí é outro negócio, mas para ficar melhor me deixe passar um pouco de hidratante no meio e suas nádegas, o Fábio passou o hidratante, e na hora em que chegou ao meu cu ele deu uma pressionadinha eu dei um gemido, ele aproveitando, ele introduziu o dedo em mim, eu, sentindo, eu num salto tirei para fora e falei, você prometeu que não iria me introduzir, ele deu risada e falou é que você deu uma gemidinha tão sensual que não resisti, logo eu estava deitado de barrigas para baixo e ele esfregando o pau em mim, eu estava delirando com tudo o que estava sentindo, e pensava que agora estava entendendo um pouco o que o Tico sentia, teve um momento em que o Fabio aproveitando o meu devaneio, ele estava esfregando o pau nas pregas de meu cu, eu sentindo uma comichão danada, ele segurou em minha cintura e deu uma pressionada e eu senti a cabeça do pau dele entrar em mim, eu senti a dor e dei um salto para frente , ele me segurou mai forte e novamente pressionou, e ia gritar, ele só falou entrou a cabeça agora o resto é fácil, é só você relaxar e sentir o prazer de ser possuído, você não vai mais precisar do tubo para se masturbar, terá sempre eu à sua disposição.

Eu ouvindo aquilo não sabia mais o que fazer, logo eu senti os pentelhos dele batendo em minhas nádegas, e eu sentindo o pau do meu irmão todinho dentro de mim, no começo senti ardor e um incômodo, mas depois eu fui me acostumando o incômodo passou a ser um prazer indescritível, e eu comecei a gemer, mas na posição em que eu estava somente a cabeça e mais um pouco só do pau dele é que entrava dentro de mim, logo ele me pediu pra mudar de posição era para eu ficar de quatro para ele poder enfiar mais, mas eu falei, que não se ele quisesse teria que se conformar daquele jeito. E ele logo anunciou que iria gozar e eu senti oi pau dele intumescer mais e gozar dentro de mim.

Para mim aquilo passou a ser um tormento depois, porque ele falou para mim, que era o que ele mais desejava era me possuir, desde um dia ele ver eu dentro do banheiro enfiar o tubo em meu cu e me masturbar e gozar com o tubo enfiado no cu, então ele pensou se ele precisa do tubo para gozar será melhor com o meu pau.

Só que eu falei para ele, não posso negar que não gostei de sentir o teu pau, só que você tirou a virgindade do meu cu em momento errado, pois eu queria perder a virgindade com outra pessoa, depois eu poderia dar para ele porque admirava o pau dele, só que ele tinha que pensar ele era meu irmão e isso não era certo, e que eu não era igual o Tico somente um depósito de porra, eu queria sentir prazer também.

No outro dia quando fui ao SENAI, no momento que encontrei o Marcos Antonio, me deu um nó na garganta e sem querer comecei a chorar, ele meio sem jeito falou, Franchi o que está acontecendo, eu falei me aconteceu coisas que não posso te contar, eu estou muito abalado, com tudo.

O Marcos Antonio me falou cara que é isso, eu sempre te contei tudo, nunca te escondi nada.

Como nós dois estávamos na hora do almoço, eu falei, cara é melhor nós irmos à algum lugar mais discreto, se não vão perceber que estou aqui igual a uma namoradinha que está sendo deixada pelo namorado.

O Marcos Antonio com um sorriso me falou, você tem cada idéia, mas tudo bem, eu moro perto daqui, eu não vou para minha casa na hora do almoço, porque não tem ninguém em casa, mas se você quer um lugar mais discreto que isso é impossível, pode ser a minha casa?

Eu com o meu coração quase saindo pela boca eu falei tudo bem, mas lembre-se que teremos de voltar para cá antes das 14 horas.

O Marcos Antonio me falou Franchi ainda nem é meio-dia esqueceu que hoje a gente sai uma aula mais cedo? Vamos lá nem são 10 minutos de caminhada, é aqui na rua de cima no próximo quarteirão, bem pelo menos lá poderemos conversar em paz.

Nós saímos da escola e eu o segui, quando estava chegando a casa dele, o aperto em meu coração novamente e eu comecei novamente a chorar, o arcos Antonio foi me abraçou, e falou, pode contar tudo para mim amigão é alguma menina que te deu o pé na bunda?

Eu ouvindo aquilo dei um sorriso e alei é pior que você pensa?

Ele sério me falou não vai me dizer que você deixou alguma menina grávida?

Eu com um sorriso murcho falei, se fosse isso seria fácil resolver.

Nesse momento chegamos a casa dele ele olhou aos lados para ver s não tinha ninguém nos vendo, e me falou, não se preocupe, eu faço essa ação de olhar aos lados é porque eu tenho uns vizinhos fofoqueiros, se de repente me ver entrando com outro menino aqui em casa, na hora em que minha mãe ou meu pai chegar, eles virão a contar ao meu pai, meus pais não ligam muito, mas não gosto de dar motivos para eles vir fazer perguntas bobas para mim.

Eu falei tudo bem.

Entramos na casa dele, então o Marcos Antonio me falou, vai cara desembucha, você tem mais de duas horas para se desabafar para nós voltarmos para escola.

Eu não sabendo como falar eu falei cara acho que você vai me odiar, pelo que vou te contar.

O Marcos Antonio me falou, não tenho o porquê te odiar cara, você é tão certinho, até agora não vi você dar um bola fora, eu conto minhas aventuras para você, e você me fala que está esperando a pessoa certa, eu te admiro.

Nesse momento eu chorando falei para ele, agora não posso dizer que estou esperando a pessoa certa para acontecer, aconteceu, e foi tudo errado, com pessoa errada, eu estou me sentindo enojado por causa disso.

O Marcos Antonio sorrindo brincou, u, lá, lá, mais um cara que perdeu a virgindade, me diga cara com quem foi?

Eu disse não posso dizer realmente perdi a virgindade, mas aconteceu de um modo que não esperava, cara eu não sei como te contar, é difícil.

O Marcos Antonio mais sério, falou, como assim, você não sabe se perdeu a virgindade, mas aconteceu de modo que você não esperava, cara se aconteceu, o pau entrou então você perdeu a virgindade, agora o modo que modo é esse cara. Por acaso você comeu algum moleque? É isso?

Eu respondi quase isso cara, bem espero que você não me odeie pelo que vou te contar cara eu desde os meus 10 ou 11 anos eu percebi que sou homo, então eu venho secretamente admirando os homens, eu quando me masturbo, eu não me masturbo pensando em comer alguma menina e sim pensando em ser possuído por algum homem, eu cheguei a introduzir em mim um tubo pequeno fino imaginando transando com uma pessoa que é muito especial para mim, certo é que o pau dessa pessoa nem se compara com o tubo, o pau é bem maior, mas o importante era eu sentir sendo introduzido dentro de mim algo e pensar que era essa pessoa me comendo, depois do que me aconteceu que quase fui violentado, cara esse tubo, não me satisfazia mais, e foram passando os dias, voltando um pouco atrás como eu te contei que tem um gayzinho lá da minha rua que foi extremamente violentado antes de acontecer o que aconteceu comigo, e eu sei quem fez isso com ele e também tentaram me violentar, só que eu fiquei com medo de contar, no dia da visita ao moleque, os meus pais juntamente com os pais dele foram para a sala e eu fiquei conversando com ele e na verdade acabei discutindo com ele porque ele me contou que os meus irmãos já tinham comido ele, quando eu cheguei em casa o meu irmão mais velho já é casado, mas o Fabio que é o do meio, ele esta namorando e não acompanhou meus pais na visita, e eu quando cheguei em casa o ameacei falando que se ele não parasse de transar com o Tico, eu falaria para os meus pai...

Tudo bem passaram-se meses e ontem quando ele chegou da casa da namorada eu estava deitado, porque não tive aulas a noite, então ele veio me falando que o Tico estava o atormentando, eu falei que era para ele se virar como ele pudesse ,eu não tinha culpa que a namorada dele não queria dar para ele, e que se eu soubesse de que ele estava saindo com o Tico ele sabia muito bem o que iria acontecer, nesse momento ele tirou o pau para fora, e me falou e o que eu faço com isso, eu respondi novamente que o problema era dele que ele se masturbasse, e que era para ele ter respeito, porque a qualquer momento os meus pais poderiam entrar no quarto e pegar ele naquela situação. Então ele foi à porta e trancou a chaves e começou a me importunar para eu ajudar ele.

E ele pedia para eu o masturbasse, tentei de todas as maneiras me esquivar, mas vou te falar a carne é fraca, no momento em que eu o vi de pau duro, o meu instantaneamente também endureceu, e ele percebendo, porque nós temos o costume de dormir só de cuecas, ele deu um puxão na minha coberta e descobrindo que eu estava de pau duro, e ele começou a falar que não tinha nada eu masturbar ele, porque antes de meu irmão mais velho se casar, ele masturbava e chupava o pau do meu irmão e ta deixava o meu irmão gozar entre as nádegas dele, e ele começou a acariciar o meu pau, então eu não agüentei cedi ao meu irmão, eu o masturbei, ele também me masturbou, ele começou a me chupar, e começou pedir para eu o chupar também, eu vendo que ele estava fazendo aquilo em mim e eu estava gostando comecei a chupá-lo, mas só que logo anunciei que eu iria gozar, então ele parou de me chupar e falou para mim colocar entre as nádegas dele e gozar e eu viria como era bom, já que eu estava nas chuva, ele se deitou de barriga para baixo e eu fui e comecei a enconchar ele e esfregar o meu pau nas preguinhas do cu dele, na hora em que eu estava gozando ele deu mexida para trás e eu senti o meu pau quase entrar no cu dele, mas só foi isso.

Nesse momento o Marcos Antonio me falou cara essa sua história esta me deixando de pau duro.

Eu suspirei e falei não acabou nisso, depois foi a vez dele gozar entre as minhas nádegas, ele logo foi passando hidratante entre as minhas nádegas falando que era para ficar melhor, só que em um momento ele percebendo que eu estava gostando, ele atolou um dedo dentro de mim, eu pulei e fiquei bravo com a atitude dele, ele falou que eu dera uma gemida sensual e ele não tinha agüentado a tentação, eu não queria fazer mais nada ,mas o Fábio me prometeu que seria somente enconchada e nada mais, então eu me deitei de barriga para baixo e ele começou a me enconchar esfregando o pau dele na minha bunda até que chegou um momento que o desgraçado segurou forte em minha cintura e forçou e a cabeça do pau dele entrou, eu quase gritei de dor, mas ele me conteve e falou, agora maninho você não precisa mais enfiar o tubo em seu cu para se masturbar eu estarei aqui para sua disposição, eu então ele forçou mais um pouco até eu sentir os pentelhos dele na minha bunda, não vou dizer que não gostei, se eu falasse isso seria mentira, mas eu esperava em perder as minhas pregas com uma outra pessoa que eu gosto dele muito, pensei em ser diferente agora eu perdi as pregas de meu cu tornando um gay e foi pela mão de meu irmão Fábio e não desse cara que eu desejo tanto.

Eu contava o fato para o Marcos Antonio de cabeça baixa sem ter coragem de olhar para ele, no momento em que acabei de contar, ele estava somente de cuecas na minha frente e perguntou para mim, cara quem é esse cara que você deseja tanto, eu o conheço?

Eu sem jeito eu vendo ele ali só de cuecas na minha frente eu tive que engoli seco e falei você o conhece e o conhece muito bem.

Nesse momento ele não falou mais nada para mim, veio se ajoelhou, com eu estava sentado no sofá ele ficou de joelhos na minha altura e segurou o meu rosto e deu um sorriso, e falou eu sabia desde o começo, mas tinha medo de perguntar se esse sentimento era recíproco, cara eu não sei se sou gay, mas eu te amo e te desejo ardentemente, nem sei quantas vezes eu comia o meu primo imaginado que era você, não me deixe desiludido, essa pessoa que você tanto deseja sou eu?

Eu somente olhei para ele e sorri, não precisei falar nada, ele veio e me deu o meu primeiro beijo de língua me levando às alturas, quando fui dar por mim eu já estava nu e entre as minhas mãos estava seu belo membro teso e eu o acariciava lentamente, e o Marcos beijava meu pescoço subia para a boca, depois ele desceu aos meus mamilos fazendo eu suspirar de tesão, depois eu fui lentamente beijando seu corpo até chegar em seu belo membro comprido grosso, não era tão grande quantos aos dos moços que tentaram me violentar, mas era maior de todos os moleques que eu já tinha visto nu no SENAI, maior que do meu irmão, e ele tinha um corpo de moleque, mas definido, no momento em que o coloquei o pau dele em minha boca eu escutei ele suspirar e tentei fazer de tudo para que ele gostasse de tudo o que eu estava fazendo, depois, ele me puxou levou para o quarto dele, um belíssimo quarto que era uma suíte, com uma cama de casal, ele foi pediu para eu tomar banho porque ele queria proporcionar o prazer que nunca tinha sentido da vida, eu fui ao banheiro me preparar, logo ele entrou e falou para mim que ele faria uma lavagem intestinal, porque ele não queria sujar o pau ele de fezes, porque ele iria fazer amor comigo sem camisinha para eu sentir totalmente a textura do pênis dele e ele também me sentir.

Então ele entrou para debaixo do chuveiro comigo e começou a esfregar óleo em meu corpo, no momento em que ele chegou em minhas nádegas ,ele passava com todo carinho, depois ele abriu as minhas nádegas e com um sorriso falou, seu irmão não fez muito estrago aqui não, e ele começou passar óleo entre as minhas nádegas e com o dedo me introduzir eu estava delirando com tudo aquilo pensando eu era um sonho, depois ele tirou ao chuveirinho da mangueira do chuveiro , desligou o chuveiro pediu para eu apoiar na parede, e ele introduziu a mangueira do chuveiro dentro de mim e senti uma coisa estranha como se estivessem me enchendo até que eu falei eu não agüento mais. Ele falou vai rápido para ao vaso sanitário, eu fui e forcei e senti sair uma boa quantia de água de dentro de mim, depois ele falou mais uma vez, e novamente fez o procedimento, até de dentro de mim saía água limpinha, ele falou, isso é para futuramente você não tenha nenhuma infecção e nem eu, agora você esta pronto para ser meu, ele me enxugou, e me levou para o quarto, melhor para a cama, onde ele começou a fazer carícias em mim, ele beijava a minha boca, depois descia beijando o meu pescoço, até chegar ao meu pau onde ele passou a língua do saco até a cabeça, fazendo eu gemer de tesão...

Depois levantou minhas pernas, abriu as minhas nádegas e começou com a língua roçar o meu cu, aquilo foi me levando a loucura, logo ele percebendo, ele, subiu me beijando me lambendo, colocou dois travesseiros debaixo de minha bunda fazendo meu cu ficar mais exposto, ele voltou novamente a lamber o meu cu teve momento que pensei que ele queira introduzir dentro de mim sua língua, depois ele foi até o seu criado-mudo e pegou um hidratante, passou bastante em seu pau depois passou na entrada de meu cu, logo senti um dedo dentro de mim, ele introduziu mais um , logo outro, fazendo meu me senti aberto, depois ele falou para mim agora você vai me receber, ele veio pincelou o pau em meu cu e começou a forçar, no momento em que eu fui gritar de dor ele se curvou e começou a me beijar na boca fazendo eu me relaxar e logo senti o pau dele adentrando dentro de mim, e senti seus pentelhos batendo em mim, ele esperou alguns minutos só me beijando e não mexia...

Depois logo ele foi mexendo fazendo o vai-e-vem bem devagar, eu me sentindo totalmente atolado, e uma deliciosa massagem interna fazendo eu gemer de dor mas muito mais de prazer, logo eu sentia ele começar com força fazer aos movimentos. E eu sentia um prazer indescritível, sentindo o pau dele entrando e quase saindo de dentro de mim, ele gozou a primeira vez me inundando por dentro, ele pediu para eu depois ficar de quatro, e mais uma vez me possuiu, fazendo movimentos fortes, que o pau dele chegava a sair de dentro de mim e ele colocava tudo de uma só vez, me fazendo urrar de prazer, depois ele deitou e pediu para eu sentar em cima, onde eu sentei com muito prazer nessa posição ele gozou mais uma vez e eu verdadeiramente atingi o clímax do prazer, quando fomos ver a hora já tínhamos perdido a hora de voltarmos para a escola, já eram quase 4 horas da tarde, ele falou para mim que tinha sido a maior e melhor transa que ele já tinha tido, e me deu um beijo em minha boca me falou que agora seria difícil ele conversar comigo e não lembrar do que tinha acontecido.

Eu sorrindo falei deixe de ser bobo, quando você me quiser novamente é só me trazer para a sua casa tenho certeza que ninguém desconfiará, e para mim será um prazer. O Marcos Antonio me falou, cara se você fosse uma mulher, eu a apresentaria aos meus pais e falaria que queira casar com você.

Eu tristemente falei quer dizer que nunca conhecerei seus pais?

Ele me falou, eu não estou afirmando que você nunca conhecerá os meus pais, só nosso relacionamento não poderá ser exposto por causa da sociedade, bem você os entende não aceitam esse tipo de envolvimento.

Eu sorrindo falei, eu sei disso, mas gostaria de um dia poder passar com você inteirinho, pode dormir com você, ter você só para mim.

O Marcos Antonio sorrindo me falou, vamos ter várias oportunidades, meus pais viajam muito, e eu sou filho único, e muitas das viagens que eles fazem eu não posso ir por causa da escola.

Eu sai da casa dele era 5 horas da tarde o horário que sairia da escola. Eu fui para minha casa parecendo que estava pisando em nuvens e naquele dia a noite não teria novamente aula, eu me retirei logo cedo para meu quarto, naquele dia o meu irmão não foi namorar então logo ele também foi para o quarto, e me falou, que tal a gente fazer hoje por completo.

Eu respondi para ele, ontem foi a primeira e a ultima vez que fizemos aquilo, nem pensar, ele foi fechou a porta do quarto com chave, foi em uma gaveta e pegou o tubo que eu antes usava para me masturbar pensando no Marcos Antonio, e me falou, que tal se eu chamar o papai aqui e mostrar esse tubo pra ele e contar que eu vi você usando esse tudo enfiando em seu cu.

Eu falei, quero ver o papai acreditar nisso, você não tem provas de que eu fazia isso.

Ele sorrindo falou, você é inocente mesmo hein, depois do dia que você me chantageou para eu não mais transar com o Tico, eu me preparei para qualquer situação que aparecesse, você não se precavia das cosias, tomava banho com a janela aberta, olhe essas fotos que eu tirei de você, e ele falou não adianta você rasgar porque eu tenho os negativos escondidos, agora que eu comecei, eu quero terminar, e para falar a verdade cansei de comer o Tico, já estava sem graça o cu dele já estava alargado de tanto ele dar, ele não podia ver um pau duro que estava sentando em cima.

Eu pensei bem o mais importante já me aconteceu já dei o cu verdadeiramente para o Marcos Antonio, o Marcos sempre será no meu intento o primeiro que verdadeiramente me possuiu, agora esse meu irmão com a chantagem e o pau menor, quero ver ele sentir o mesmo que sentiu ontem, amanhã terei motivo para ir novamente de ir para a casa do Marcos Antonio e gozar sentado naquele maravilhoso pau.

Para que meu irmão não percebesse nada eu falei, tudo bem eu deixo você me penetrar, e quem sabe ir até ao mais fundo se você deixar eu te penetrar também, ele com um sorriso no rosto me falou, estou dentro do negócio, eu já dei mesmo o cu para tantos carinhas, fazendo troca-troca, fazer mais um com você não me fará mal nenhum.

Então naquele dia meu irmão novamente me chupou e eu também o chupei só que pensando na relação amorosa que tinha tido com o Marcos Antonio, depois ele ficou de quatro e eu fui comecei a pincelar o cu dele e depois fui enterrando o meu pau no cu dele, eu percebia ele ficar vermelho, eu não esperei ele se acostumar e fui logo mexendo e gozando dentro daquele cu enchendo-o com minha porra, logo depois ele pediu para eu ficar de quatro, mas ele viu meu cu todo vermelho e m falou, o que aconteceu?

Eu disfarçando falei, esqueceu de ontem, foi assim que você me deixou.

Ele me falou nem penetrei tudo e ficou assim, agora então o seu cu vai virar todo para fora.

Eu respondi espero que não porque amanhã eu terei aula de educação física no SENAI e se ficar tudo para fora é bem possível que os meninos percebam porque tem aqueles que dão o cu e no outro dia eles têm de passar na pica de todos os meninos mais pervertidos do SENAI. E eu não quero isso.

Então o meu irmão falou, eu vou fazer com bastante cuidado para que isso não aconteça.

E o meu irmão começou a me penetrar, no começo eu senti somente ódio por ele estar me chantageando, mas depois com os movimentos delicados dele dentro de mim eu fui ficando excitado e gostando da deliciosa massagem interna que em poucos minutos eu estava gozando novamente e sentindo-o despejar dentro de mim rios de porra, que pensei não sei como consegue tanta.

No outro dia na hora do almoço lá estava eu nos braços do Marco Antonio, ele me possuindo com toda a volúpia e eu tendo prazeres indescritíveis.

E na noite transando com meu irmão o sentindo gozar a quantidade enorme de porra dentro de mim.

Essa relação durou entre eu dando de dia para o Marcos Antonio e à noite para meu irmão durou mais de 10 anos, mesmo eu formado no SENAI, pela sorte do destino o Marcos Antonio fora trabalhar junto a mim na mesma empresa, e o meu irmão todo afoito que era na idade de 19 anos se casou, e passou a me procurar com raridade, e eu passei a pertencer mais ao Marcos Antonio, até parecer na vida dele o Adilson e na minha o Carlinhos, que isso é outra história cheia de carinhos afetos e sexo.

Autor: Jo Pereira
E-mail - Não Divulgado
MSN - Não Divulgado
Fonte - Internauta
Conto Enviado pelo Internauta.