Esta história é verídica: certo dia, há cerca de cinco anos (eu com apenas vinte anos), estava viajando de ônibus sentido Porto Alegre (RS) à Santa Maria (RS), minha cidade natal.

Tinha ido à Porto Alegre visitar parentes. Já na entrada do busão me deparei com aquele monumento ao entrar: alto, cabelo baixo, corpo bem desenhado, olhos verdes, aparentando uns trinta e cinco anos.

Realmente um cara que chama a atenção de todos por s físicos. É claro que eu não deixei de dar uma olhadela. Meio que disfarçadamente, mas olhei!

E por incrível que pareça, percebi que fui correspondido, apesar de ambos estarem de óculos escuros.Ele estava uniformizado, era da Polícia Militar pelo que pude perceber por suas vestimentas.

E graduado, pois tinha uma insígnia militar no braço. Ele nem imaginava que meu maior fetiche sempre foi dar para um policial.Mas enfim...

Seguindo viagem, logo adiante percebi que ele se levantava, foi ao banheiro. Ao passar por mim, olhou novamente, e tão descaradamente que até fiquei meio sem jeito, já que sou um pouco reservado.

Por volta de três minutos depois, também levantei e me parei em frente à porta do banheiro, esperando que ele saísse.

Quando isso aconteceu, ele então abriu a porta e vendo ser eu, abre um sorriso enorme e disse: "tudo bem?" Quando então eu, extasiado e perplexo, respondo: "tudo!"

E ele logo já emenda: "Se você for descer na rodoviária, quero falar com você, ok?" Ao que eu, prontamente, respondo: "ok!" O ônibus parou, fui direto ao ponto de encontro e ele me seguiu. Sentei em uma cadeira. Ele então chega, pede licença e eu digo "claro, fique a vontade".

Conversamos um pouco, falamos sobre seu trabalho (sem insinuações) e um pouco sobre mim também, quando finalmente eu fui direto ao ponto: "tenho que te confessar uma coisa- minha grande tara é transar com um homem fardado, é você me parece o cara certo".

Ele me olhou, deu um sorriso sacana novamente e me disse que estava pensando na mesma coisa quando me viu.Perguntou-me se eu era passivo, confirmei que sim, sou apenas passivo!

Ele ficou ainda mais alegre com a notícia e engatou: "hoje é mesmo o meu dia de sorte!".Ao que eu rebati dizendo:"eu é que estou com sorte!"

Imediatamente pegamos um táxi e fomos a um motel, foi tudo maravilhoso... Este cara era um tesão, me mordia, me lambia, me cheirava, falando palavras obscenas, e eu ficava louco com tudo aquilo...

Fiz um oral demorado e caprichado no pau dele, que já estava durão antes mesmo de começarmos o ato.Depois disso, o safadão me penetrava em todas as posições possíveis e inimagináveis.

Gozamos abundantemente, por três vezes, depois relaxamos um pouco no quarto do motel e trocamos telefone. Foi então que ele me disse ser casado com mulher.

Na hora fiquei um pouco espantado, mas não surpreso pois sempre tive um ímã que me aproxima de homens héteros ou bi.

Depois deste encontro, ficamos amigos de se falar e se visitar com frequência, e de sexo também, é claro.

Mas isto já rende uma outra história...

Autor: Mix Brasil
E-mail - Não Divulgado
SKYPE - Não Divulgado
FONTE - Conto Retirado da Internet.